06/06/2019 as 10:20

Queimaduras

Huse atende 273 vítimas em 5 meses

Somente de janeiro a maio deste ano já foram registradas 273 vítimas de queimaduras no hospital. No período junino deve aumentar fluxo de pacientes no hospital.


Queimaduras são feridas traumáticas causadas, na maioria das vezes, por agentes térmicos, químicos, elétricos ou radioativos. São classificadas de acordo com a sua profundidade e tamanho, sendo geralmente mensuradas pelo percentual da superfície corporal acometida. No Dia Nacional de Luta contra as Queimaduras, celebrado hoje, 6 de junho, profissionais da Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), fazem um alerta para os cuidados e principalmente a prevenção dessa lesão. Somente de janeiro a maio deste ano já foram registradas 273 vítimas de queimaduras no hospital. 


No período junino, o pronto Socorro do Huse recebe centenas de vítimas de queimaduras, em sua maioria por fogos de artifício, bem como por acender a fogueira de forma incorreta e descuidada. A coordenadora da cirurgia plástica do Huse, Moema Santana, explicou o planejamento para receber as possíveis vítimas nesse período e a nova estrutura da UTQ, que passou por reformas.
“Estamos esse ano com a unidade totalmente reformada e com novos equipamentos que darão o suporte necessário para o atendimento. A maioria dos pacientes não precisa dessa unidade e isso é importante destacar. O primeiro atendimento é no Trauma e uma sala específica de procedimentos é preparada no Pronto Socorro com medicação, maca, curativos especiais, todo material cirúrgico, profissionais e todo o suporte que precisam. A cada ano, a gente espera que os números sejam reduzidos”, explicou a médica. 

Estatística- Em 2015 foram registrados no Huse, durante o mês de junho, 67 vítimas de queimaduras. Em 2016, esses números chegaram a 86 pacientes, em 2017 foram 119 vítimas no período junino e em 2018 esse número foi de 104 pacientes, sendo que, desse total, foram 72 vítimas de queimaduras e 45 especificamente de fogos de artifício, sendo destes, 23 crianças. 
A gerente da UTQ do Huse, Elmara Salgado, ressaltou que a equipe também já está preparada para o aumento do número de atendimentos que chegam na unidade nessa época do ano.


“Equipe preparada como todos os anos e é importante frisar que sem ela nada aconteceria, a equipe multidisciplinar da UTQ faz a diferença. Tivemos um curso de atualização para atendimento ao paciente queimado e esse curso só vem para somar. Precisamos realmente dessa força das unidades regionais, que elas identifiquem a necessidade do primeiro atendimento, de vir ou não para o Huse, mas, se vier, estamos preparados para o atendimento”, frisou Elmara.


Os municípios com maior incidência de queimadura: Aracaju, seguido de Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão, Estância, Lagarto, Itabaianinha, Tomar do Geru, Itaporanga D’Ajuda, Itabaiana, Laranjeiras e Umbaúba.
Em Aracaju, os bairros com maior incidência são: Santa Maria, Santos Dumont, Bugio, Lamarão, Siqueira Campos, Olaria, bairro Industrial, bairro América e São Conrado.


Os casos que mais chegam são vítimas que se queimaram acendendo fogueira, soltando fogos e preparação de alimentos quentes com as crianças em volta da fogueira, além das sobras de fogos que não estouraram.


A médica diarista da UTQ, Heloísa Lazaro, explicou a importância do atendimento pré-hospitalar e a forma correta do transporte do paciente queimado. “Como a gente aumenta muito a estatística de queimados nessa fase, é importante fazer um atendimento mais específico. O queimado é um paciente que você deve ter um atendimento rápido e precoce. Saber distinguir os tipos de queimaduras e o primeiro tipo de atendimento que vai ser dado a ele para que já chegue até a gente melhor encaminhado. É importante bater na tecla que o paciente deve ser hidratado e diminuir o risco de mortalidade. Isso é o que deve ser feito de tratamento imediato”, concluiu.