31/10/2018 as 07:43

THAÏS BEZERRA

Entrevista - Mariane Barreto


Entrevista - Mariane BarretoDivulgação

A sergipana Mariane Brandão é médica formada desde 2008 pela Universidade Federal de Sergipe, com especialização completa em otorrinolaringologia no Hospital Universitário/UFS de 2011 a 2014. Desde então, participa de cursos, congressos e jornadas pelo Brasil a fora com o intuito de aperfeiçoar cada vez mais os conhecimentos técnicos e teóricos – inclusive em eventos científicos da área, disseminando sua vasta produção bibliográfica. Já atuou como médica otorrinolaringologista em diversos municípios sergipanos, mas hoje são as cidades de Propriá, Lagarto e Aracaju que compõem sua agenda de atendimento. Confira entrevista com a profissional sobre cuidados com a audição.

 

THAÏS BEZERRA - O barulho do dia a dia pode afetar na audição? De que forma? MARIANE BARRETO  - A audição é um dos sentidos mais importantes que nós temos. No nosso dia a dia somos expostos a muitos ruídos, mas só teremos alguma alteração auditiva se essa exposição ultrapassar ruídos acima de 85 decibéis. Por exemplo, uma pessoa que no seu dia a dia trabalha em ambiente ruidoso, sem uso de equipamento de proteção individual, pode ter alterações auditivas com o passar do tempo.

TB - Afinal, o que leva uma pessoa à perda auditiva? A idade influencia? MB - Várias são as causas de perda auditiva. Infecções recorrentes de ouvido médio, perfuração de membrana timpânica, perdas auditivas hereditárias, perdas auditivas induzidas por infecções virais ou bacterianas na infância, perda auditiva induzida pelo ruído e até mesmo a presbiacusia, que é a famosa perda auditiva progressiva.

TB - E quem tem problema de audição, pode voltar a ouvir? MB - Depende da causa da perda auditiva. Se a pessoa tem um fator obstrutivo como uma rolha de cerume e este for removido, a pessoa volta a escutar, mas uma perda auditiva induzida por ruído ou mesmo a presbiacusia, por exemplo, são perdas auditivas definitivas. As pessoas podem voltar a ter uma boa audição através do uso de aparelhos audutivos e, em alguns casos, após a realização de cirurgias.

TB - Quais os avanços da tecnologia associados à otorrinolaringologia no que diz respeito a audição? MB - Hoje nós temos os aparelhos de amplificação sonora individual que ajudam muito e temos as cirurgias que em casos isolados podem ser benéficas. Para saber qual melhor procedimento, e até para prevenção de tratamentos, reforço sempre a importância de consultar o otorrinolaringologista com regularidade.

TB - Começamos a fazer exame desde infância com o teste da orelhinha. Por que é tão importante consultar um médico com essa especialidade? MB - O teste da orelhinha é de extrema importância visto que detecta falhas na audição da criança desde os primeiros meses de vida, e com isso podemos já começar a pesquisa diagnóstica e iniciar o tratamento mais adequado. Uma criança que tem a perda auditiva detectada logo no início da vida tem um desenvolvimento igual ao de uma criança normouvinte.

TB - Com que frequência é recomendável ir para consulta com otorrinolaringologista? MB - É importante que as pessoas procurem um otorrinolaringologista sempre que situações e dúvidas como essas surgirem. Principalmente quem sabe que já tem algum tipo de problema (de alergia à audição), porque, mesmo que os sintomas ainda não tenham chegado, é importante prevenir. No consultório, o paciente vai ter acesso a todas as informações necessárias e específicas para tratamento e prevenção.