12/07/2018 as 14:52

Veículos

Produtor vai vender etanol direto para os postos

Decisão aprovada no Senado Federal no mês passado deve mudar a política de preços do combustível.


Produtor vai vender etanol direto para os postosFoto: Jadilson Simões/Equipe JC

Foi aprovado, por 47 votos favoráveis e dois contrários, o decreto legislativo nº 61/2018, que autoriza a venda do etanol diretamente do produtor, neste caso as usinas, para os postos de combustíveis. Essa venda direta é proibida por uma resolução da Agência Nacional de Petróleo (ANP).


Com isso, o preço cobrado pelo etanol nos postos deverá ficar entre 10 e 15 % mais barato para o consumidor final.


“Isso quebra a carga acumulativa de impostos e vai beneficiar a população inteira. O etanol vai baixar diretamente na bomba. Quando você chega num posto, o dono de posto não tem interesse em vender o etanol. A margem de lucro é muito maior na gasolina”, aponta Manelito Menezes, mantenedor da Indústria Taquari, produtora de álcool e açúcar.


Ele também aponta para o maior de todos os benefícios advindos de uma procura maior pelo etanol. “Existe algo muito maior em torno disso que é  um acordo que o Brasil assinou com os Estados Unidos, em Paris, para a baixa emissão de carbono. Trata-se de melhorar o ar que respiramos”, afirma Manelito.


Atualmente, a fabricação do etanol é dividida entre o Nordeste e o Sul do país, a depender da safra. Por exemplo, atualmente, a produção está com o Sul do Brasil. Já em outubro, eles param e a Região Nordeste deve iniciar o seu processo de produção. Para Sandro de Miro, dono de uma rede de postos de combustíveis, o ganho para o consumidor é inegável, mas a fiscalização por parte dos órgãos deve ser mais forte. Ele também aponta para as dificuldades de logística das usinas no período de implantação.


“Acho que, no início, a usina vai ter dificuldadede entregar, dificuldade na logística. O estado terá dificuldade na arrecadação, mas, passada toda essa fase vai ser bom para os postos. Não tem como não associar o benefício ao consumidor, mas é preciso que as usinas tenham estrutura. A ideia é importante e vai ser benéfica ao consumidor”, explica Sandro.


O projeto é de autoria do senador Otto Alencar (PSD-BA) e susta o artigo 43 da Resolução da ANP. O objetivo é aumentar a concorrência no mercado de combustíveis e, assim, baixar o preço para o consumidor.


O texto agora segue para análise da Câmara dos Deputados e, caso seja aprovado, será enviado para a sanção do presidente da República.