30/10/2018 as 06:35

ENTREVISTA – Henrique Brandão Menezes

“Quem estiver disposto a trabalhar vai vencer na vida”

Henrique Brandão Menezes - presidente do Grupo Samam


“Quem estiver disposto a trabalhar vai vencer na vida”Ronald Dória

Henrique Brandão Menezes é um workaholic, essa palavra da moda que significa “viciado em trabalho”. Questionado sobre qual o segredo, a “fórmula” para ter tanta alegria, vitalidade e vivacidade no auge de suas oito décadas, ele não titubeou. “Trabalho, trabalho e trabalho”.

A valorização do trabalho, aliás, foi aprendida com o avô Henrique Meneses e, depois, com o pai, Manoel Aguiar Menezes, o Manelito, fundador do Grupo Samam. E essa premissa de vida foi ensinada por ele aos filhos, que, considera, já estão preparados para assumir o comando do conglomerado de empresas. “É questão de índole, de formação. Fui criado no ambiente de trabalho. Era meu avô no trabalho, meu pai no trabalho. Não tenho como fugir, porque está no meu sangue. Hoje, vejo meus filhos nesse mesmo ritmo”, avalia.

 

Jornal da Cidade – Ao mesmo tempo que 2018 tem sido tão especial para o senhor e o Grupo Samam, também tem sido um ano difícil para a economia do País e, consequentemente, para a de Sergipe. A crise econômica e financeira nacional afetou de que forma as empresas do Grupo, e o que tem sido feito para enfrentar essa situação?

 

Henrique Brandão Menezes – A crise afetou um pouco as vendas, houve uma queda na renda do trabalhador e, consequentemente, o consumo diminui. O trabalhador está precisando de mais prazo e menos juros. Mas estamos sempre criando novas estratégias para mantermos o mesmo nível de vendas sempre. Sempre buscando o crescimento. Há alguns dias, fizemos uma promoção dos SUVs [Sport Utility Vehicle, que significa veículo utilitário esportivo] que foi um sucesso. Foram 53 veículos em apenas dois dias.

 

JC – No auge de suas oito décadas de vida, como o senhor pensa o futuro do Grupo Samam?

HBM – O futuro é promissor. Se há vontade de trabalhar, com certeza, colheremos bons frutos. Inclusive, vamos abrir mais uma loja da Jeep na Zona Sul, estamos reformando uma da Fiat e vamos abrir também mais uma loja de pneus.

 

JC – Certa vez, o senhor disse que não pensa em aposentadoria. O trabalho é sua mola propulsora, é o que o move na vida?

 

HBM – É questão de índole, de formação. Fui criado no ambiente de trabalho. Era meu avô no trabalho, meu pai no trabalho. Não tenho como fugir, porque está no meu sangue. Hoje, vejo meus filhos nesse mesmo ritmo.

 

JC – Sua família – filhos, netos e agregados – trabalham com o senhor já há algum tempo. Considera que estão preparados para dar a devida continuidade ao seu trabalho e aos princípios que sempre o nortearam?

 

HBM – Posso dizer com toda a certeza que dois já estão preparados. Os outros estão sendo lapidados, mas ficarão prontos em breve.

 

JC – Se for possível resumir, como o senhor definiria a importância da família na sua vida?

 

HBM – Minha vida é pautada em duas formas: o trabalho e a família. Eu me dedico de todo o coração à empresa, e a empresa forte deixa a família forte. Minha família é tudo para mim.

 

JC – Com seus 80 anos, o senhor demonstra muita alegria e vivacidade. Há uma “fórmula” para isso? O que poderia dizer para os mais jovens neste seu momento especial?

HBM – Trabalho, trabalho e trabalho. Jovens, coloquem na mente de vocês o seguinte: trabalho. Só conseguiremos alcançar nossos objetivos com trabalho. Quem estiver disposto a trabalhar vai vencer na vida.