29/09/2021 as 10:39

JUSTIÇA

Advogado Edson Telles consegue prisão domiciliar para viúva acusada de matar procurador

Com a mudança, a viúva cumprirá pena em regime domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

O advogado criminalista Edson Telles conquistou uma grande vitória no tribunal, na tarde da última terça-feira, 28, no caso da viúva Anoilza Santos Gama Melo de Araújo, condenada a 31 anos e 8 meses de reclusão em regime fechado pela acusação de ser a mandante do crime que vitimou seu ex-marido, o procurador aposentado e ex-delegado de polícia civil António Melo de Araújo. A defesa entrou com um pedido justificando a necessidade da realização de exames específicos para diagnóstico de câncer de mama e a mudança no cumprimento da pena foi concedida pela juíza Suzete Ferrari, da 7ª Vara Criminal. 

Com a mudança, a viúva cumprirá pena em regime domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica por um período de 30 dias e que poderá ser prorrogada a depender do quadro médico de Anoilza.

“A situação de Anoilza requer exames específicos que o presídio não tem condições de realizar. Os nódulos identificados estão em um grau elevado e é necessário fazer uma biópsia para evitar evolução do seu caso. Tudo indica que o prazo será estendido, porque dada as proporções, o sistema prisional acabou atrapalhando o tratamento dela, e como dito pela juíza, o Prefem não tem condições de manter o tratamento dela", destacou o advogado. 

Para Edson, a decisão foi recebida com satisfação pela acusada e pela defesa, que continuará na luta pela liberdade da sua cliente. 

"A nossa defesa não para, temos uma equipe lutando dia e noite e ainda vai acontecer muita coisa no processo e estamos em busca de levar para Brasília onde nosso objetivo da defesa é a anulação do Júri e acima de tudo provar a inocência de Anoilza", ressaltou o advogado.