28/04/2021 as 14:33

VACINA

Infectologista orienta sobre eficácia da CoronaVac em prazo maior que 28 dias

Obedecendo a uma razoabilidade de distanciamento, é possível manter a memória imune capaz de não comprometer os níveis de eficácia

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

Para que haja uma imunidade eficaz, a vacinação contra a covid-19 deve acontecer por meio de duas doses. Assim como em todo o país, a Prefeitura de Aracaju utiliza dois tipos de vacina, a CoronaVac e a AstraZeneca, sendo que a primeira possui um intervalo de 28 dias entre as aplicações, prazo que representa um nível de eficácia de 62,3%.

A execução do Plano Municipal de Imunização tem como fator preponderante o repasse de doses, via Ministério da Saúde, o que vem acontecendo desde o dia 18 de janeiro, mesmo que de maneira gradativa. Entretanto, diante da limitação atual, no envio de novas doses de CoronaVac, pelo MS aos estados e municípios, a capital adotará novas medidas com base na nota técnica que será enviada pelo órgão.

Sobre a extensão do prazo para aplicação entre as duas doses, a infectologista da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Fabrízia Tavares, explica que, obedecendo a uma razoabilidade de distanciamento, é possível manter a memória imune capaz de não comprometer os níveis de eficácia.

“A primeira dose seria um “despertar” da nossa imunidade para ter uma resposta inicial ao vírus. E após um período razoável, a depender de cada vacina, seria necessário um booster, ou seja, uma nova dose, para reafirmar e manter em níveis satisfatórios a nossa imunidade. Especificamente no caso da CoronaVac, cujo intervalo deve ser de 28 dias, o Programa Nacional de Imunização orienta que não existe um tempo ainda determinado entre as doses que justifique a ineficácia e a não realização da segunda dose mesmo em intervalo estendido”, declarou.

A SMS tem atuado de maneira a realizar a correta aplicação dos imunizantes, de acordo com os procedimentos estabelecidos pelo Ministério da Saúde, tão logo novas doses da vacina CoronaVac sejam repassadas ao Município.

"Esperamos que a chegada dessas novas doses não demore, para que não se exceda esse período de razoabilidade imune, e nos afastemos tanto das constatações dos estudos clínicos encontrados nas pesquisas das vacinas. A recomendação absoluta, até o momento, é que deve ser feita sim a segunda dose das vacinas, mesmo excedendo os 28 dias pra CoronaVac e os 90 dias para a AstraZeneca", declarou.

Nota Técnica

Assim como projeta o município de Aracaju e seguindo o que orienta a Nota Técnica Nº 457/2021, do Ministério da Saúde “ainda que ocorram atrasos no esquema vacinal, o mesmo deverá ser completado com a administração da segunda dose o mais rápido possível”.

Ainda de acordo com o documento, “ações estão sendo viabilizadas para o apoio às 27 Unidades Federativas, de forma a promover a garantia da compensação e fechamento dos esquemas (D1+D2) dos grupos prioritários iniciados, com as novas remessas a serem recebidas na primeira quinzena de maio”. 

Fonte e foto: PMA