21/07/2021 as 13:10

AEDES AEGYPTI

Aracaju tem médio risco de infestação das doenças transmitidas pelo Aedes

Sabemos que há uma preocupação muito grande com a covid-19, mas não podemos deixar de nos proteger de outras doenças, diz Jeferson Santana, gerente do Programa de Combate ao Aedes aegypti

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

Aracaju tem médio risco de infestação das doenças transmitidas pelo Aedes

A Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), segue atuando no trabalho de combate ao Aedes aegypti na capital. Principal ferramenta de monitoramento do Programa Municipal de Combate ao Aedes, o LIRAa [Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti] apontou que Aracaju encerrou o semestre com um índice de médio risco de infestação das doenças transmitidas pelo mosquito.

Ainda segundo o levantamento feito pelo Programa, entre janeiro e junho de 2021, foram notificados 113 casos de dengue, com 34 confirmados; de chikungunya foram 240 casos notificados, com 155 confirmados; e de zika foram 15 casos notificados e sete confirmados.

“Temos vivido dias com muita chuva e logo em seguida a abertura do sol, e esse momento se torna muito propício para o desenvolvimento do mosquito. Não podemos vacilar. Sabemos que há uma preocupação muito grande com a covid-19, mas não podemos deixar de nos proteger de outras doenças, principalmente as causadas pelo mosquito Aedes aegypti, que se não cuidarmos, poderá aumentar silenciosamente na cidade”, alertou o gerente do Programa de Combate ao Aedes aegypti, Jeferson Santana.

A Prefeitura, em parceria com a SMS e órgãos como a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) realiza um cronograma regular de ações de combate ao mosquito, mas é necessário que a população também faça sua parte. “Descartar o lixo corretamente, vistoriar regularmente os quintais e áreas externas, além de não acumular água limpa e parada sem a proteção devida são algumas das ações simples que fazem toda a diferença”, orientou o gerente.

Ações importantes
O mutirão de combate ao Aedes é uma das ações estratégicas coordenada pela SMS com o apoio da Emsurb. Entre janeiro e junho deste ano, a capital realizou 20 mutirões em bairros da zonas Norte e Sul da cidade.

Os bairros visitados foram: Jardins, 18 do Forte, Cidade Nova, São José, Dom Luciano, Suíssa, Aeroporto, Soledade, Getúlio Vargas, Lamarão, Cirurgia, Bugio, Porto Dantas, Japãozinho, Santos Dumont, Idustrial, Pereira Lobo e Santo Antônio.

Nesse mesmo período também foram coletados 26.369 pneus nos bairros da capital. Já as visitas domiciliares realizadas nos seis primeiros meses do ano somaram 343.085 imóveis visitados. Os meses com maior número de residências vistoriadas foram fevereiro (72.217) e março (62.262).

A aplicação de UBV Costal (fumacê), realizada para o bloqueio de transmissão do Aedes aegypti nas áreas com casos notificados, no primeiro semestre do ano, somaram 82 bairros contemplados pela ação, totalizando 1.228 quarteirões tratados e alcançando 52.343 imóveis. O mês de março foi o de maior alcance, com 213 quarteirões tratados e 8.776 imóveis trabalhados.

Entre janeiro e junho de 2021, foram registradas e encaminhadas ao Programa Municipal de Combate ao Aedes aegypti 93 ouvidorias. Denúncias, solicitações, críticas, elogios ou sugestões podem ser encaminhadas através do email saude.ouvidoria@aracaju.se.gov.br ou pelo 0800 729 3534, opção 7.

 

Fonte: PMA

Foto: Ascom SES