28/01/2022 as 14:38

EM 2021

Unidade Pediátrica para Alta Complexidade do Huse realizou 16 mil atendimentos

Desse total, cerca de sete mil pacientes ficaram internados para novos procedimentos e exames

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

A Unidade Pediátrica Doutor José Machado de Souza, do Hospital de Urgências de Sergipe Governador João Alves Filho (Huse), realizou cerca de 16 mil atendimentos aos pequenos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no período de janeiro a dezembro de 2021. Desse total, cerca de sete mil pacientes ficaram internados para novos procedimentos e exames. A unidade funciona 24 horas, além de dispor de recursos científicos, técnicos, equipamentos e materiais específicos para assistência integral às crianças de zero a 12 anos.

A pediatria do Huse é a única de Sergipe referência nos atendimentos de Alta Complexidade com o público oriundo de outros hospitais e unidades de pronto atendimento, pela Central de Regulação de Leitos. Com a funcionalidade do Hospital da Criança de Sergipe, inaugurado em novembro de 2021, no prédio da antiga Maternidade Hildete Falcão Batista, os casos de baixa e média complexidade ganharam um novo destino o que acabou desafogou a demanda da pediatria do Huse, deixando assim, exclusiva para atendimento de Alta Complexidade. “Desde novembro do ano passado, com a abertura do Hospital da Criança, o atendimento na pediatria do Huse é feito através da Regulação de outra Unidade Hospitalar com o diagnóstico de Alta Complexidade”, declarou a coordenadora da Pediatria do Huse, Cristiane Barreto.

Enfermarias
O Pronto Socorro Pediátrico conta hoje com 17 acomodações, distribuídas com 10 leitos na Área Amarela e mais sete leitos na Área Vermelha. Já o internamento pediátrico conta com 30 leitos, distribuídos entre as enfermarias: carinho, felicidade, paz, esperança e alegria, desses, 10 leitos são destinados para enfermaria Covid-19, além de mais 10 leitos para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O Hospital Pediátrico trabalha com a estratégia de acolhimento e classificação de risco, baseado no Protocolo de Manchester que tem como estratégia, priorizar o atendimento segundo o risco do quadro clínico do paciente. A coordenadora ressalta ainda o que espera para esse ano. “O ano que passou foi difícil para todos com a pandemia da Covid-19, nos organizamos e estruturamos para atender da forma correta os nossos pequenos pacientes. Ainda estamos bastante cautelosos, mas, acreditamos que vamos vencer esse combate, por isso, novos projetos para este ano já estão sendo colocados em prática para avançarmos ainda mais na qualidade de atendimento do nosso usuário”, disse Cristiane Barreto.

 

Fonte: SES