01/08/2022 as 10:56

ENTREVISTA

TB Entrevista Neuma Rúbia Santana

Neuma Rúbia criou o projeto Sergipe Fala de Sustentabilidade, ocorrido em junho e julho deste ano - ferramenta ambiental da Fundação Verde Herbert Daniel

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

A nossa convidada hoje é Neuma Rúbia Figueiredo Santana, Técnica em Química, bacharel e licenciada em Ciências biológicas, mestre e doutora em Desenvolvimento e Meio ambiente. Neuma Rúbia é filha de uma professora rural e torneiro mecânico, com sete irmãos. Nascida na capital da Bahia, desde a infância foi conectada ao interior e à natureza, férias na casa dos avós, milho verde e feira de rua.

Neuma Rúbia criou o projeto Sergipe Fala de Sustentabilidade, ocorrido em junho e julho deste ano - ferramenta ambiental da Fundação Verde Herbert Daniel que deflagra ações sustentáveis anualmente em Sergipe. Vamos conhecer mais detalhes sobre o projeto que mobilizou a nossa comunidade.

THAÏS BEZERRA – Como ocorreu o início da sua relação com o meio ambiente?
NEUMA SANTANA – Foi na minha infância, com a família brincando na área verde da zona rural e na vida adulta nos manguezais de Saubara/BA, nas nascentes do rio Piautinga em Sergipe e na foz do rio São Francisco, entre Alagoas e Sergipe.

TB – Do que tratou o projeto Sergipe Fala de Sustentabilidade, realizado em nosso Estado?
NS - Foi uma oportunidade para debater o tema e ouvir a comunidade que vive no centro urbano de Aracaju e no interior do Estado. Notamos que a população simples percebe a ausência de cuidados com os rios, áreas verdes e aumento de uso de agrotóxicos nos alimentos.

TB – Em que formato ocorreu o projeto ambiental realizado em Sergipe?
NS – O projeto aconteceu de forma híbrida, virtual e presencialmente. A primeira etapa proporcionou ‘lives’ com a participação de profissionais da área socioambiental. Posteriormente, foi realizado um concurso de redação no mesmo tema e encontro presencial de encerramento.

TB – Quais foram as ‘lives’ e palestrantes?
NS - Tratamos de Poluição Hídrica (Engenheira de Pesca Jeisykailane Peixoto), Hábitos Comportamentais para uma Cidade Sustentável (Líder do Talento Fácil Bruna Lopes), Energia Renovável (especialista em Eletrotécnica Umaraci Nascimento), Desperdício de Alimentos (Nutróloga Maria Nilza Figueiredo Matos) e Uso de Geotecnologias para Conhecimento da Biodiversidade (Engenheiro Ambiental e doutorando em Meio Ambiente José Carlos Benicio do Nascimento).

TB – Como o público reagiu ao concurso de redação sustentável?
NS – Tivemos retorno qualitativo satisfatório, predominantemente entre os jovens – o que transmite segurança, pois eles são os gestores do planeta amanhã. Embora esperássemos um pouco mais de engajamento, existe o aspecto que segmenta, agrupa as pessoas e define o público. Apesar de a sustentabilidade afetar e comprometer, isto é, ser responsável pela vida das pessoas de todas as classes sociais, raças e escolaridades, a mobilização / retorno não é proporcional. Nota-se um “deixar para depois” quando se fala sobre meio ambiente. Geralmente associado à desinformação. Muitos ainda ignoram que ser sustentável é questão (individual) de cidadania – e é mais do que não jogar o lixo na rua.

TB – Qual foi o título da redação, com o tema meio ambiente?
NS – Para provocar, sugerimos um comparativo e a projeção: “O Sergipe sustentável que tenho hoje e o Sergipe que eu quero em 2023”. Tentamos disponibilizar à população a liberdade para se expressar e sua autenticidade tornar-se insumo, componente e inspiração em ações privadas e públicas.

TB - E a premiação?
NB – Passeio ecológico com destinos em Sergipe, do primeiro ao quinto colocados: 1º lugar (Weslei Santos Souza) com três acompanhantes, para os Cânions do São Francisco, que tira o fôlego dos visitantes exigentes em relação ao belo; o 2º lugar (Franciele Alves de França), também para levar 03 pessoas, visitará a foz do rio São Francisco e o fascinante habitat preservado; o 3º autor (Joângelo Divino) levará três amigos para submergir no perfume e na sombra florestal da Serra de Itabaiana, com trilha – e ver a cantata dos pássaros ofuscar o sol; já a 4ª colocada (Amanda Alves dos Santos) vai compartilhar o êxtase nas cachoeiras da Serra da Miaba com dois convidados. A autora da quinta redação classificada (Everaldina Alves da Hora) verá de perto as exóticas rapinas do Parque dos Falcões, com dois acompanhantes.

TB – Você encontra dificuldades ou resistência ao tratar de sustentabilidade? Somos levados a sério?
NS - Falamos muito em sustentabilidade, porém com ações pontuais e que muitas vezes não envolvem a sociedade. A inconsciência do “não é comigo” e o ignorar da população que o planeta é a soma do quintal de cada um - consome produtos que corroem a natureza. O ideal seria registrarmos ações ambientais com o mesmo público maciço que lota as apresentações sertanejo-eletrônicas.

TB – A Fundação Verde Herbert Daniel é especializada em eventos práticos voltados à sustentabilidade?
NS – A FVHD tem âmbito nacional e organiza cursos de formação, constitui centro de pesquisas e promove estudos, concursos, ações e programas, colabora com os poderes públicos, instituições culturais e ambientais particulares. Existe desde 2007 e cria centros educacionais destinados a formação ambiental, cultural e política. Em Sergipe, o projeto teve acolhimento do Partido Verde, na pessoa do seu presidente e co-fundador, Reynaldo Nunes, cuja trajetória pessoal se confunde com a história da militância ambiental no Sergipe.