09/07/2018 as 08:38

Artigos

Mario e Arthur


Na década de 1970, Mario Vargas Llosa, escritor peruano laureado com o Nobel de Literatura em 2010, esteve em Simão Dias coletando informações para seu romance épico - A Guerra do Fim do Mundo – baseado na Campanha de Canudos. Publicado em 1981, a saga do Conselheiro, na ficção de Vargas Llosa, obteve retumbante sucesso editorial em vários países, especialmente no Brasil.

É admissível que personagens que deram vida ao romance nasceram da observação de tipos que o escritor conheceu na sua estada em Simão Dias onde se hospedou numa pensão apreciada por viajantes pela limpeza, comida decente e, também, pelas informações que poderia colher naquele ambiente de intensa circulação de pessoas de localidades adjacentes, sobretudo das cidades e povoados baianos próximos a Canudos. Pois bem, é bastante provável que personagens centrais da estória como Leão de Natuba e Maria Quadrado tenham sido plasmados em tipos que Vargas Llosa conheceu em Simão Dias. Já o Barão de Canabrava, protagonista de proa do romance, o escritor baseou-se no político e fazendeiro Cícero Dantas, o Barão de Jeremoabo.

Essa hospedaria, juntamente com Os Sertões de Euclides de Cunha, foi o berço de gestação de um dos melhores romances da literatura latino-americana, e que, 34 anos depois, veio a ser o espaço ficcional onde ocorre boa parte das ações do magistral romance – Aconteceu em Santanapólis – do escritor Artur Oscar de Oliveira Deda. Com efeito, é na “Pensão dos Viajantes” que reside o ex-seminarista e professor Jaime Bandeira, paraibano de Piancó, intelectual admirado e respeitado na comunidade, personagem em torno do qual se desenvolve a narrativa. Na pensão também reside o bacharel baiano, Dr. Reginaldo Lira, funcionário público de posses, boêmio solteirão, que escolheu Santánapolis para viver sua velhice. É na morte e sepultamento dessebonvivant, no dia da vitória do Uruguai sobre o Brasil, na copa de 1950, que tem início o romance. Osmunda Felipe, proprietária da hospedaria, é mulher vivida, experiente, bem informada, de muito prestígio na cidade. Por isso mesmo, é ela que faz as aplicações, ou melhor, a agiotagem, dos recursos do Dr. Reginaldo Lira. Estes e outros personagens coadjuvantes, espaço, tempo histórico e trama bem urdida são os ingredientes desse telúrico e saboroso romance de Artur Deda.

Simão-diense, da antiga Anápolis, daí Santanápolis, sua Macondo, quis o autor homenagear a cidade natal com um texto ficcional, mas estribado nas suas lembranças e nas pessoas que conheceu e que deram corpo a narrativa a exemplo do cantor e pandeirista Guimarães Júnior, vivente daquela época e que teve a honra de acompanhar o grande Orlando silva, quando o cantor das Multidões esteve em Santánapolis, ou melhor, em Simão Dias, no início dos anos 50. O personagem chave, o professor Jaime Bandeira, no que se refere à inteligência e erudição, sem medo de errar, é o próprio professor e acadêmico Artur Oscar de Oliveira Deda, renomado civilista e íntegro magistrado.

Não tenho notícia que Mario e Artur tenham se encontrado alguma vez na vida, seja em Arequipa, Miraflores, Simão Dias ou qualquer outro lugar. Se não, perderam ambos, pois tinham muito que conversar sobre personagens universais que criaram ao escreverem sobre suas aldeias, como bem acentuou Tolstoi, Pantaleão, Palomino Molero, Osmunda Felipe, Zoroastro Boaventura, Reginaldo Lira, Guimarães Júnior são réplicas de viventes conhecidos apenas em suas localidades, muitas vezes anônimos, que só escritores visionários e talentosos como Mario e Artur são capazes de identificá-los e universalizá-los nos seus escritos.

Lamentavelmente, o encontro desses dois mestres da ficção jamais se realizará! O romancista, cronista, magistrado exemplar, cidadão impecável, marido amantíssimo e pai amoroso Artur Oscar de Oliveira Deda, filho do também escritor e folclorista José de Carvalho Deda, faleceu aos 86 anos em 29 de junho.

Registro aqui meu profundo pesar a Estela, sua mulher, às suas filhas Verônica e Valéria e demais membros de sua honrada família.

Albano Franco/ Ex-governador, senador, deputado federal e presidente da CNI