11/04/2019 as 14:28

Na Galeria de Arte

“A Presença da Matéria” é o tema da exposição no Sesc

A mostra é composta por 15 monotipias em telas com dimensões variadas


“A Presença da Matéria” é o tema da exposição no SescFoto: Divulgação

Debate e mediação marcam a abertura da exposição “A Presença da Matéria”, do artista Leandro Serpa, nesta sexta-feira, 12/04, às 14h30, na Galeria de Arte do Sesc. A mostra é composta por 15 monotipias em telas com dimensões variadas. A entrada é gratuita.

O artista catarinense apresentará ao público a série com obras datadas de 2018, nas quais explora pigmentos naturais, tingidores, cera e cola sobre lona crua. Consideradas por Leandra Serpa como “peças de uma pesquisa em acontecimento”, as monotipias extraem particularidades dos pigmentos que fixam sobre a superfície do suporte, por meio da busca incansável de uma marca, textura e cor própria.

Ele investiga a gravura e, especialmente, a técnica da monotipia, desde 2006, durante o bacharelado e mais recente no mestrado em Artes Visuais, com a dissertação intitulada “A Monotipia no Campo Expandido: Reflexões sobre Arte e Arte/Educação Contemporânea” (PPAGV/CEART/UDESC -2015).

Durante sua trajetória de artista visual, escritor, professor e pesquisador, Leandro Serpa realizou entrevistas e visitou os ateliês de Daniel Senise, Carlos Vergara e Frantz Soares, grandes referências da gravura no Brasil e influências recorrentes na poética de Leandro Serpa. “Mas, é na imersão do processo criativo, sobretudo, nas pesquisas de materiais naturais e alternativos para uso como tingidores que o artista revela seu potencial”, acrescentou Vanderléa Cardoso, arte educadora do Sesc, responsável pela exposição.

O ano passado o artista ministrou a oficina “Monotipia no Campo Expandido”, dentro da programação da Aldeia Sesc de Artes, experiência que o motivou a participar do Regulamento Arte.Com 2019, no qual teve seu projeto selecionado. “Fico muito feliz em expor no Sesc Sergipe, uma vez que já participei de exposições nas Unidades do Sesc, em Santa Catarina e em outras instituições culturais do Brasil. A experiência da oficina de Monotipia Expandida em Aracaju foi enriquecedora”, revelou Serpa.