10/09/2019 as 16:17

CANINDÉ DO S. FRANCISCO

Colégio Estadual desenvolve atividades da Agricultura Familiar

Alunos e pais estão integrados em práticas de gestão dos resíduos sólidos


O trabalho de conscientização em Educação Ambiental do Colégio Estadual Delmiro de Miranda Britto, em Canindé de São Francisco, reuniu professores, alunos, pais de alunos e a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis (SE-PA-RE) para construir uma horta na escola e fomentar práticas para a boa gestão dos resíduos sólidos e orgânicos.

A iniciativa se deu a partir da necessidade de a escola melhorar o cardápio e agregar valor ao trabalho que os alunos, naturalmente, exercem ao lado dos pais no Assentamento Florestan Fernandes, no sertão de Canindé. De acordo com a diretora Patrícia Anjos, foi constatado que os estudantes que residem no assentamento sofriam discriminação na escola por parte de outros colegas por viverem no campo, o que é um fato contraditório, já que 80% dos estudantes da unidade são oriundos da zona rural.

Durante o ano passado, pais e alunos, iniciaram um processo de compartilhamento de técnicas de plantio e cultivo de alimentos durante algumas oficinas e palestras ofertadas na escola. No Assentamento Florestan Fernandes, os estudantes do Delmiro de Miranda Britto convivem com atividades da Agricultura Familiar, por meio do artesanato, revitalização de fontes, cultivo do umbu e outros alimentos. Foi nessa perspectiva que os jovens passaram a planejar a criação da horta na escola ao lado dos pais, professores e colaboradores.

Após o trabalho de incentivo criado pela escola, a SE-PA-RE conduziu as palestras em torno dos termos e definições de resíduos sólidos, resíduos orgânicos, compostagem e agroecologia.

O vice-presidente da SE-PA-RE, Everton Santana, compreende que a educação é o caminho para a boa gestão dos resíduos. Ele entende que são os estudantes que vão mudar o comportamento dentro e fora da escola, e que, naturalmente, irão incentivar a família para destinar, de maneira correta, os resíduos sólidos e orgânicos gerados em casa.

Nessa perspectiva, a cooperativa trabalha com os estudantes o tratamento dos resíduos orgânicos, recicláveis e rejeitos, ensinando que o grande volume de resíduos orgânicos acaba contaminando os outros resíduos, que, depois de serem levados para o lixão, prejudicam a terra com o chorume. O objetivo, portanto, é retirar os resíduos orgânicos para transformar em compostagem no espaço da escola, ampliar a horta e cultivar os produtos da agroecologia, sem a utilização de veneno e com adubação orgânica. Assim, os estudantes vão evitar a contaminação dos lençóis freáticos importantes para a terra saudável.

A professora de Sociologia, Nilza Santana, é uma das idealizadoras da horta na escola. Ela conta que o empreendimento rendeu frutos além da conscientização e do aprendizado sobre o manejo de alimento. O Colégio recebeu um prêmio para os alunos do Assentamento Florestan Fernandes pelo Instituto Alana – Criativos da Escola, em Fortaleza.

Marcela Santos Jesus, do 3º ano do Ensino Médio, explica que, por meio dos trabalhos de Educação Ambiental, coletou materiais recicláveis para fazer brinquedos e confeccionar roupas. E agora quando vê um lixo que deveria ter um destino adequado ela pega e faz o devido descarte, inclusive em casa. “Vou colocar todo mundo na linha”, brinca.